O risco está presente em todas as acções humanas, em particular nas actividades financeiras.

​​​​​​​​​​​​​​​​​O que é o Risco?

O tema do risco é recorrente quando falamos sobre o Mercado de Capitais.

A verdade é que não poderia ser de outra forma: o risco está presente em todas as acções humanas e em particular nas actividades financeiras.​

Risco é o grau de probabilidade de falha de um investimento futuro. Ele descreve a incerteza de que um investimento futuro terá o retorno esperado.

​Nos termos do seu Estatuto Orgânico, a CMC não pode aconselhar os tipos de investimentos a fazer, mas pode oferecer informação imparcial sobre os tipos de investimento e os seus riscos.  

No entanto, quanto mais estiver informado mais probabilidades tem de tomar decisões conscientes dos riscos a que se expõe e das perdas que pode sofrer em resultado dessas decisões. 

É costume dizer-se que quanto maior o risco, maior o retorno do investimento, mas é importante consciencializar e saber analisar o nível de risco existente, para evitar riscos desnecessários e consequentemente diminuir a chance de falha. Uma vez que tenha reunido os recursos financeiros suficientes para investir, considere cuidadosamente todas as opções de investimento e reflita na estratégia que mais sentido faça para si.

Alertamos desde já para o facto de não ser possível garantir que obterá ganhos nos investimentos que realizar.

Todos os investimentos envolvem um certo grau de Risco – ou seja, o investidor pode perder parte, ou mesmo a totalidade do capital que investir. É importante que entenda, quando decide investir em valores mobiliários, os riscos associados, porque poderá perder ou ver fortemente desvalorizado o seu investimento.


 

​​
​"Existe o risco ​​que você não pode correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr".

 
Peter Ferdinand Drucker
Escritor, professor e consultor administrativo​​


 

É comum o investidor prestar mais atenção à promessa de rentabilidade do que às hipóteses de depreciação ou perda do que foi aplicado. Mas acredite: não há investimento sem risco!

 Vejamos, por exemplo, um imóvel. 

Mesmo quando utilizado como moradia, tem todas as características de um investimento e, portanto, está sujeito a riscos. 

Apesar do imóvel poder ser vendido, permitindo a recuperação do valor investido, o seu preço está sujeito às altas e baixas do mercado e, dependendo do momento da venda, pode não encontrar alguém disposto a pagar o preço desejado. 

Quando decide investir em valores mobiliários deve ter conhecimento dos riscos associados, pois poderá perder ou ver o sei investimento fortemente desvalorizado. 

Além disso, em caso de emergência, pode ser necessário vender a um valor mais baixo do que o considerado justo. 

Sendo assim, para este exemplo há pelo menos dois tipos de riscos:

  • O de não conseguir vender o imóvel no momento desejado (risco de liquidez) e 

  • O de não conseguir recuperar o valor investido (risco de preço). ​

Se se dispuser a vender o imóvel a preços de venda forçada (por meia dúzia de Kwanzas, por exemplo) haverá, quase de certeza, alguém que se disporá a comprá-lo. 

Mas daí resulta certamente uma perda de uma parte do dinheiro investido inicialmente. 

​Apesar dos riscos fazerem parte do acto de investir, quem investe pode atingir mais rapidamente os seus objectivos.​

 Vídeo Recomendado

​​
 

 Leitura Recomendada

A Nova Ordem Financeira: O Risco no Século XXI​
Robert Schiller

 
Um Economista entra num Bordel: e Noutros Lugares Inesperados para Compreender o Risco
Allison Schrager

 
Risco Financeiro: Medida e Gestão 
Carlos Pinho e Ricardo Valente

 
Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar
​Daniel Kahneman​

 
Risk Management: Gestão, Relato e Auditoria dos Riscos do Negócio
Rui Beja

 
Risk Management and Financial Institutions
John C. Hull

 
Voltar ao Topo