Saiba como fazer para financiar correctamente os seus estudos

​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​Formas alternativas para financiar os estudos​

Certamente é de conhecimento geral que não são todos os estudantes que conseguem o acesso a uma instituição de ensino superior pública, restando o recurso às instituições de ensino privadas, onde pagar as propinas em si não é nada barato, face à desvalorização do poder financeiro de um modo geral, fazendo com que vários desistam do sonho de uma formação universitária.

Se não tem capacidade financeira para continuar a suportar os custos de um curso superior ou mesmo se pondera voltar a estudar, mas o orçamento disponível não o permite, gostará de saber que há diferentes formas de financiar os estudos superiores.

Entre as opções disponíveis para continuar a investir na sua formação estão as bolsas de estudo, o crédito bancário, apoio das entidades patronais e o trabalho em part-time

"A educação nunca foi uma despesa. Sempre foi um investimento com retorno garantido."

 
Sir Arthur Lewis
Economista britânico​

1. Bolsa de Estudo

A bolsa de estudo é uma contribuição económica que uma entidade (pública ou privada) oferece a um aluno para que ele possa pagar a sua formação e possivelmente outras despesas.

As bolsas são concedidas por entidades ou pela própria instituição de ensino para os diferentes níveis de ensino, desde a educação básica até ao ensino superior. Cada instituição estabelece as suas políticas para a atribuição de uma bolsa de estudos, mas a grande maioria opta por conceder aos alunos com melhor desempenho académico.

Quando se aplica para uma bolsa de estudos deve-se ter em conta que esta pode ser integral (cobre todas as despesas – propinas, material escolar, acomodação, transporte e alimentação) ou parcial (pode cobrir apenas as propinas ou uma percentagem e talvez outras necessidades). ​

2. Entidade Patronal

Algumas empresas apostam no desenvolvimento profissional dos seus colaboradores, por isso aprovisionam verbas específicas para este tipo de formação. Esta opção tem resultados positivos para ambos os lados, ganha o colaborador a possibilidade de melhorar as suas capacidades técnicas e intelectuais, de igual modo, o empregador promove a capacitação do seu efectivo, resultando num colaborador mais engajado, motivado e competente.

Caso seja o caso da sua empresa, faça uma pesquisa principalmente do curso e custos associados e negoceie com o empregador a possibilidade de realização.

Lembre-se que deve ser uma relação win-win, isto é, positiva para ambas as partes. ​

3. Trabalho em part-time​

​Outra forma de financiar os estudos passa também por conseguir conciliar um trabalho em part-time. Dar explicações, produzir conteúdos para plataformas online, operador de call-center, são apenas alguns exemplos. Conciliar o estudo e o trabalho é uma boa oportunidade para manter o equilíbrio das suas finanças pessoais.

Quer usufrua de bolsa, quer trabalhe em part-time ou outro mecanismo​ para ajudar a pagar os estudos, não esqueça do potencial da poupança - sobretudo se pretende prosseguir os estudos. Pondere abrir uma conta-poupança para ir preparando um "pé-de-meia".


Voltar ao Topo